FANDOM


VIOLÊNCIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

   Assim como em todo País, a violência atingiu índices intoleráveis em Belo Horizonte e Região Metropolitana. O índice terrível extrapolou o limite suportável e a boa e velha tranquilidade mineira ficou na história.

                                                             “Algo está muito mal quando

as pessoas de boa vontade

consideram que para viver

em paz é preciso estar armado”

Sen. Cristovam Buarque

É importante ressaltar que a criminalidade é diretamente proporcional ao aumento da miséria. Já que em nações onde não há serviços de qualidade e acessibilidade a todos nas áreas de saúde, educação, moradia, lazer, bem como onde os índices de desemprego são recordes, a violência se instala, crescendo assustadoramente e revelando-se forte e poderosa.

Viol

Quanto mais escu ra é a área maior é o índice de violência. Fonte: Nossa BH disponível em:http://www.nossabh .org.br/indicadores/i0304.html Acesso:11/04/2014

De acordo com um levantamento de 2011 do Instituto Sangari, de São Paulo, Belo Horizonte revelou-se a segunda capital mai s violenta da região Sudeste. A capital apresentou uma média de 34,9 homicídios para cada 100 mil habitantes, tendo 8.2 homicídios  acima da média nacional que é de 26,7.

   No entanto, a partir de 2004, os índices de criminalidade de Belo Horizonte e da região metropolitana começam a apresentar queda. Naquele ano, 55,1 pessoas eram assassinadas a cada 100 mil habitantes e passou para 33,8 ocorrências em 2010, uma redução de 39%.

Para o coordenador da pesquisa, Júlio Waiselfisz, três fatores explicam a redução das taxas de homicídios em alguns lugares: campanha do desarmamento, investimento em segurança pública e políticas estaduais.


SEGURANÇA PÚBLICA NA REGIÃO METROPOLITANA DE BH

A segurança pública, pela constituição brasileira, é uma atividade pertinente aos órgãos estatais. O artigo 144 prevê que é um "dever do Estado e responsabilidade de todos". Essa definição mostra com nitidez que o Estado sempre foi o incumbido de elaborar políticas publicas eficazes em relação ao à segurança pública.

Sendo assim, o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, declarou em entrevista à Rádio Itatiaia que considera a segurança pública o principal desafio a ser superado em Minas e no Brasil.

"Acredito que hoje qualquer governante do Brasil, se indagado qual o maior desafio neste momento, (apontará) a segurança pública. Por que motivo? Porque a segurança publica não exclusivamente combatida ou melhorada com ações governamentais, mas com postura e ação da sociedade", disse o Governador.


APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 

Secretaria de Defesa Socia e as polícias militar e civil divulgaram em fevereiro de 2014, as estatíscas de crimes violentos no Estado, Região Metropolitana de Belo Horizonte onde há além da capital m

Violência metropolitana

ineira, mais 33 municípios com cerca de 5.152.217 habitantes. As estatísticas de 2013 apontam que houve um acréscimo nos índices de crimes violentos. Os crimes de homicídio, entretanto, por terem sido tratados como prioridade por atentarem contra a vida no planejamento das polícias, tiveram crescimento menos expressivos no último ano.

Crescimento dos homícidios na RMBH e em toda MG
Todo o Estado Região Metropolitana BH
6,07% 7,38%

Os dados analisados também mostram que nos últimos  houve  meses do ano de 2013 houve redução nos numeros de crimes violentos contra o patrimônio e crimes violentos, apesar da tendência a esses números aumentarem, oque revelou que o planejamento e execução do mesmo pelas polícias ocorreu como o esperado.

Crimes violentos contra o patrimônio na RMBH diminuiu
Nº ocorrências Porcentagem

de diminuição

RMBH 4528 4358 3,76%
BH 2801 2705

3,43%

As ações de prevenção e repressão à violência urbana gerou a Polícia Militar de Minas Gerais  e a Polícia Civil de Minas Gerais   números expressivos sobre os seus resultados. Como grande exemplo disso a PMMG fez 257.921 apreensões.

PLANOS PARA 2014

O chefe da Polícia Civil de MG, Cylton Brnadão, também destacou que a instituição intensificará as ações de repressão qualificada, como forma de desarticular as quadrilhas constituídas para a prática do trafico ilícito de drogas, explosões de caixas eletrônicos e as saidinhas de banco. "Essa moldura rígida visa reduzir os índices de criminalidade e aumentar a sensação de segurança em todo o território de Minas Gerais" explicou.

O comandante geral da PMMG, coronel Márcio Martins Sant'Ana, desatacou ainda a importância e a responsabilidade dos trabalhos da instituição ao longo desse ano. " A PM não poupará esforços para trabalhar com excelência profissional em prol do cidadão e da cidadania" ressaltou o coronel.

Pelo terceiro ano seguido, Minas Gerais é o Estado que mais investe em segurança pública fazendo-o, investirá mais de 600 milhões nesta área até 2015.

A prevenção á criminalidade é representada pelos programas: 

  • Fica Vivo!                                                                                                                                               O Programa Fica Vivo tem por objetivo controlar e prevenir a ocorrência de homicídios dolosos em áreas com altos índices de criminalidade violenta em Minas Gerais, melhorando a qualidade de vida da população.                                                                                                                                    
  • Mediação de conflitos                                                                                                                     Objetiva empreender ações de mediações de conflitos, orientações sociojurídicas, articulação e apoio à organização em comunidade e institucional a partir de pessoas, famílias, grupos, comunidades e entidades comunitárias.
  • Central de Penas alternativas (Ceapa)                                                                                                Tem como objetivo o monitoramento e o acompanhamento da execução das penas restritivas de direito, transações penais e suspensão condicional do processo em Minas Gerais. Por meio do programa, o Estado resgata o sentido educativo da pena, previne a reincidência criminal, desperta a participação cidadã junto a seus usuários e minimiza as vulnerabilidades sociais.                                                                                                       
  • Programa de Inclusão Social de Egressos do Sistema Prisional (PrEsp)                                            Seu objetivo é diminuir as exclusões e estigmas decorrentes dessa experiência, promovendo condições para a retomada da vida em liberdade. O programa busca o distanciamento do egresso das condições que provoquem a reincidência criminal.