FANDOM


Imgres

O Neoclassicismo, movimento artístico e literário, que tem no Arcadismo a sua principal manifestação, foi profundamente influenciado pelas idéias racionalistas do seu tempo. Foi o porta-voz da Razão e das novas idéias filosóficas, científicas e políticas, buscando uma arte “pedagógica”, “didática”, transmissora dos novos valores.

David-Oathof the Horatii-1784

O juramento dos Horácios, por Jacques-Louis David, 1784, Museu do Louvre, Paris. Uma das obras mais conhecidas e influentes da escola neoclássica

Contexto e Caracterização Geral


Os primeiros sinais do Neoclassicismo se fazem notar em vários pontos da Europa nas primeiras décadas do século XVIII, embora desde já se deva advertir que a cronologia dos estilos é sempre muito polêmica, e seus limites, muito imprecisos. O Neoclassicismo, como o nome indica, foi um movimento cultural revivalista, que voltou-se para a Antiguidade clássica - a Grécia e a Roma antigas - como a principal referência estética e modelo de vida. Considerava-se há muito tempo que a tradição clássica, onde se incluía a cultura renascentista, ela também um revivalismo classicista, era imbuída de grande autoridade moral e estética, e por isso era um modelo ideal. De fato, a "volta aos clássicos" é um fenômeno recorrente na história da cultura do ocidente.

Uma série de fatores se conjugaram para que em meados do século XVIII houvesse nascido uma nova corrente
Death of Marat by David

David: A Morte de Marat, 1793.

classicista, nítida e influente, centralizada em Roma, convivendo com e combatendo as últimas manifestações do Barroco e do Rococó. Dois foram principais: em primeiro lugar, o esgotamento da fórmula barroca e a condenação do que se viu nela como excessos, peso, decorativismo fútil, falta de decoro e irregularidade, acompanhado por um crescente interesse pela Antiguidade clássica de modo geral, com seus valores de racionalismo, modéstia, equilíbrio, harmonia, simplicidade formal, idealismo e desapego do luxo. Foi notável, nesse sentido, a contribuição de eruditos, como Winckelmann, que em sua célebre História da Arte da Antiguidade (1764) dizia preferir "a nobreza, simplicidade, calma e grandeza" da Grécia antiga à "irresponsabilidade, extravagância, impertinente fogosidade" barroca. Em segundo, o Neoclassicismo está intimamente ligado ao declínio da influência da religião e à ascensão dos ideais do Iluminismo, que tinham base no racionalismo, combatiam as superstições e dogmas religiosos, e enfatizavam o aperfeiçoamento pessoal e o progresso social dentro de uma forte moldura ética. Aí está o seu cunho democrático que de início buscava reagir contra a pompa e o gosto aristocrático da época de Luís XV - o que explicava perfeitamente a popularidade e o prestígio de que desfrutaria, na França e na Europa após a Revolução de 1789. Nas academias de arte e ciências sua influência era enorme; mesmo durante o Barroco, o estilo anticlássico por excelência, o Classicismo permanecera uma forte referência.

Também foi inestimável a contribuição de acadêmicos e antiquários como Robert Wood, John Bouverie, James Stuart, Robert Adam, Giovanni Battista Borra e James Dawkins, que publicaram a partir do século XVIII vários relatos detalhados e ilustrados de expedições arqueológicas, sendo especialmente influentes o tratado de Bernard de Montfaucon, L'Antiquite expliquee et representee en figures (1719-24), fartamente ilustrado e com textos paralelos em línguas modernas, não apenas no latim como era o costume acadêmico, e o do Conde de Caylus, Recueil d'antiquites (1752-67), o primeiro a tentar agrupar as obras de arte da Antiguidade clássica segundo critérios de estilo e não de gênero, abordando também as antiguidades celtas, egípcias e etruscas.Os escritos de Johann Joachim Winckelmann - um erudito alemão de grande influência entre os intelectuais italianos e alemães, incluindo Goethe, e muitas vezes considerado o principal mentor teórico do movimento - enalteceram ainda mais a arte grega, e vendo nela uma "nobre simplicidade e tranqüila grandeza", apelou para que todos os artistas a imitassem, restaurando uma arte idealista que deveria ser despida de toda transitoriedade, aproximando-se do caráter do arquétipo. Seu apelo gerou sonora resposta. A história, literatura e mitologia antigas voltavam a ser a fonte principal de inspiração para os artistas, ao mesmo tempo em que eram reavaliadas outras culturas e estilos antigos como o gótico e as tradições folclóricas do norte europeu, produzindo uma heterogeneidade de tendências que tornam o estudo deste período por vezes bastante árduo.

Apesar de a arte clássica ser apreciada desde muito antes, segundo Cybele Gontar era-o de forma circunstancial e empírica, mas agora o apreço se construía sobre bases mais científicas, sistemáticas e

NEOCLSSICO1
racionais. Com essas descobertas e estudos começou a ser possível formar pela primeira vez uma cronologia da cultura e da arte dos gregos e romanos, distinguindo o que era próprio de uns e de outros, e fazendo nascer um interesse pela tradição puramente grega que havia, na época, sido ofuscada pela herança romana, ainda mais porque na época a Grécia estava sob domínio turco e por isso, na prática, era pouco acessível para os estudiosos e turistas do Ocidente cristão. Acrescente-se a isso a descoberta de Herculano e Pompéia, duas antigas cidades romanas soterradas por uma erupção do Vesúvio, uma grande surpresa para os conhecedores e o público, tornando-se logo uma parada obrigatória no Grand Tour europeu e local de pesquisa para artistas e antiquários, e embora as escavações que começaram a ser realizadas nas ruínas em 1738 e 1748 não tenham encontrado grandes obras-primas, trouxeram para a luz uma quantidade de relíquias e artefatos que revelavam aspectos do cotidiano romano até então desconhecidos. Seguiram-se outras pesquisas sistemáticas da arte e cultura antiga, formaram-se importantes coleções públicas e privadas de arte e artefatos antigos e o "estilo grego" se tornava cada vez mais um favorito para os decoradores, estilistas de moda e arquitetos. Esses fatores contribuíram de forma importante para a educação de um maior público e para um alargamento da sua visão sobre o passado, estimulando uma nova paixão por tudo o que fosse antigo.

O Neoclassicismo assim o Renascimento do século XVI preconizava o retorno aos ideais clássicos de beleza. Mas não teve entre seus corifeus ou adeptos nenhum grande nome, que mesmo de leve pudesse ser comparado às grandes personalidades artísticas como Michelangelo, da Vinci, Shakespeare, Newton entre outros do renascimento. De resto, o espírito que o plasmou diferencia nitidamente do ideal humanista que deu início ao movimento do século XVI. So os temas heróicos ou mitológicos tirados à antiguidade clássica e traduzidos num vocabulário formal apenas epidermicamente grego ou romano, o que em última análise se descobre, na arte neoclássica, é o ideal puramente romântico de fazer ressurgir uma época encarada coma a origem de toda a beleza e virtude.

O movimento teve também conotações políticas, já que a origem da inspiração neoclássica era a cultura grega e sua democracia, e a romana com sua república, com os valores associados de honra, dever, heroísmo, civismo e patriotismo. Como consequência, o estilo neoclássico foi adotado pelo governo revolucionário francês e coube a Napoleão Bonaparte, que pressentira as potencialidades sociais do estilo neoclássico, colocá-lo a serviço do poder imperial, com o nascimento do que se convencionou chamar de estilo império. Como arma ideológica contra o "luxo imoral" e a "afetação decadente" das elites, tipificadas na galante e hedonista arte Rococó, pondo de lado a "nobre simplicidade e tranqüila grandeza" de Winckelmann e assumindo ares mais agressivos, dinâmicos, dramáticos e nitidamente propagandísticos, convocando a sociedade à mudança. Não deixa, aliás, de ser paradoxal que uma tendência, a princípio democrática, logo viesse a ser o estilo oficial do Império e a bandeira do reacionarismo artístico. Teve o pintor Jacques-Louis David como seu campeão e assumiu os nomes sucessivos de estilo Diretório, estilo Convenção e mais tarde, sob Napoleão, estilo Império, influenciando outros países. Nos Estados Unidos, no tumultuado processo de conquista de sua própria independência e inspirados no modelo da Roma republicana, o Neoclassicismo se tornou um padrão patrocinado pelo governo, e foi conhecido como Estilo Federal. Entretanto, desde logo o Neoclassicismo se tornou também um estilo cortesão, e em virtude de suas associações com o glorioso passado clássico, foi usado pelos monarcas e príncipes como veículo de propaganda para suas personalidades e feitosO Neoclassicismo conheceu seu ponto mais alto entre meados do século XVIII e as décadas iniciais do século XIX, quando Winckelmann fazia grande propaganda da cultura antiga e nas artes brilhavam Goethe, David, Haydn, Mozart e Canova, além de muitos outros. É uma das características deste período a coexistência do Neoclassicismo com um outro movimento cultural também de larga influência: o Romantismo. Ambos foram em muitos pontos estilos antitéticos, pois o Romantismo tendia a enfatizar o drama, o movimento, a visão individual, o irracional, o misticismo e a emoção, mas por outro lado, não era inteiramente avesso à referência clássica nem ao idealismo, tendo nascido também sob influência do Iluminismo. Muitas vezes será difícil distingui-los. Ao longo do século XIX ambas as escolas viriam a dialogar e se fundir cada vez mais, gerando o Academismo eclético, prosaico e sentimental do fim do século. No início do século XX o Neoclassicismo - bem como o Romantismo - havia sido suplantado pela estética modernista, embora algumas correntes continuassem a produzir em determinadas regiões. Na década de 1980, cultivada pelos pós-modernos, uma forma atualizada de Classicismo apareceu em cena com algum ímpeto, manifestando-se em várias formas de arte.

O Neoclassicismo no Brasil

Em 1816, desembarca no Brasil a Missão Artística Francesa, contratada para fundar e dirigir no Rio de Janeiro uma Escola Real de Artes e Ofícios. Nela está, entre outros, o pintor Jean-Baptiste Debret, que retrata com charme e humor costumes e personagens da época. Em 1826 é fundada a Academia Imperial de Belas Artes, que adota o gosto neoclássico europeu e atrai outros pintores estrangeiros de porte, como Auguste Marie Taunay e Johann Moritz Rugendas. Pintores brasileiros desse período são Manuel de Araújo Porto-Alegre e Rafael Mendes de Carvalho, entre outros. A tendência torna-se visível também na arquitetura. Seu expoente é Grandjean de Montigny, que chega com a Missão Francesa. Suas obras, como a sede da reitoria da Pontifícia Universidade Católica no Rio de Janeiro, adaptam a estética neoclássica ao clima tropical. Mesmo que sua fundamentação fosse de uma sociedade agrário-escravocrata e com um comércio relativamente atrasado, tendo um governo monárquico.

Na pintura a influência neoclássica está submetida ao romantismo. A composição e o desenho seguem os padrões de sobriedade e equilíbrio, mas o colorido reflete a dramaticidade romântica. Um exemplo é Flagelação de Cristo, de Vítor Meirelles.
Meirelles - A flagelaçao de Cristo - 1856

A Flagelação de Cristo, feito por Vítor Meirelles

Na literatura, a principal expressão é o arcadismo, caracterizado por um estilo mais simples e objetivo e pela temática voltada para a natureza. Os seus principais poetas encontram-se em Vila Rica, centro cultural do Brasil na época. A vida no campo é também abordada, mas os pastores europeus são substituídos pelos vaqueiros brasileiros. Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e Silva Alvarenga são os principais poetas do movimento no Brasil.







A literatura neoclassita é um movimento literario que se propõe um regresso ao classimo de quinhetos quanto ao genero,quanto a forma quanto a linguagem.Duas serão suas grandes vertentes,uma: a doutrinação estetica consequente da doutrinação estetica consequente do racionalimo presente no verdadeiro método de estudar, que muito deve a arte poetica de francisco Jose freire, a outra a criação literaria estava porem reservada a arcadia lusitana fundada em 1756 a magna tarefa de reação contra os exageros do barroquismo a sua fundação presidiu o intento de reabilitar o gosto literario e resestabelecer o equilibrio na literatura , Minas foi o principal centro de produção neoclássica, mas neste campo o estilo é mais conhecido pelo nome de Arcadismo, distinguindo-se pela imitação das formas literárias da Antiguidade, pela valorização de regras definidas, pela temática predominantemente pastoral, pelos valores racionalistas e pela linguagem clara, simplificada e espontânea, avessa a ornamentos supérfluos, ainda que sejam perceptíveis traços de drama e introspecção típicos do Romantismo.

Caracterização do neoclassicismo na arte

O neoclassicismo surgiu como artificio para acabar com a artificialidade do rococó e coloca em prárica a

David
simplicidade nas linhas, formas, cores e temas, aprofundando as idéias e sentimentos. Trazendo denovo algumas características da arte clássica: contorno linear, abolição do claro-escuro e a utopia. Para aqueles que esculpiam de modo neoclassicista a essência pura era presente no mármore branco das estatuas. No neoclassicismo que participa do Século das Luzes, tem o espírito científico, racional e retorna a natureza, recurso propagado por Rousseau. Para quem era neoclassicista, os conceitos de racionalismo e sensibilidade não eram opostos, muito pelo contrário, eles conseguiam espor os dois e apresentar perfeitamente o que queriam.



Carpediem

Aproveite o dia

Carpe diem

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.